Praia limpa para Iemanjá

Logo no princípio do mundo, Iemanjá já teve motivos para desgostar da humanidade, pois desde cedo os homens e as mulheres jogavam no mar tudo que não servia.
Os seres humanos  sujavam as aguas com lixo, com tudo o que não mais prestava, velho ou estragado. Até mesmo cuspiam em Iemanjá, quando não faziam coisa muito pior.
Iemanjá foi queixar-se com Olodumare. Assim não dava para continuar;  sua casa estava sempre cheia de porcarias.

Olodumare ouviu os seu reclamos e deu-lhe o dom de devolver à praia tudo o que os seres humanos jogassem de ruim em suas águas.

Desde então as ondas surgiram no mar.


E as ondas trazem para a terra o que não é do mar.


Fonte: http://casadelei.org.br/lenda-iemanja-irrita-se-com-sujeira-que-os-homens-lancam-ao-mar/ retirado do  livro Mitologia dos
Orixás, Reginaldo Prandi/ São
Paulo. Leciona sociologia na USP e é autor de diversos livros sobre sociedade e
cultura brasileiras. Em 2001, recebeu do Ministério da Cultura, CNPQ e SBPC o
prêmio Érico Vannucci
Mendes por sua contribuição à preservação da cultura afro-brasileira.
Quando consumimos um refrigerante com canudinho, ou um picolé, na praia devemos considerar que os resíduos representam risco para os seres marinhos, uma vez que acabam por atingir seu meio. Estudos tem mostrado que qualquer tipo de material sólido, como pontas de cigarros, plásticos, isopor, vidros, madeiras, ferro, tem sido a causa da morte de milhares de animais marinhos.

Especialmente para as festas de Iemanjá a FAUERS orienta e incentiva a confecção de barcos ecológicos no intuito de, também, as oferendas não agredirem o seu reino.

Utilizando materiais que se dissolvam na água os barcos sugeridos mantém as praias livres de restos de madeira, pregos, plásticos ou isopor, que agridam o ambiente marinho e que possam se tornar perigosos para os banhistas.



O propósito da oferenda é dar o presente, portanto, podemos oferecer as frutas e doces para as pessoas,  os brinquedos para as crianças, e segue com o barco somente o líquido do perfume ou da bebida e as flores, sem talos e espinhos, embelezando a orla com as pétalas para a Mãe Iemanjá.



Abaixo seguem sugestões de como confeccionar os barcos ecológicos, utilizando materiais recicláveis de fácil decomposição.

MATERIAL NECESSÁRIO
– Lâmina de papelão de acordo com o tamanho do barco que se deseja construir (obs.: as medidas indicadas aqui são para um barco de pequeno porte);
– retalhos de jornal ou papel para forrar o barco;
– papel crepom;
– tesoura;
– prendedores;
– caneta;
– cola caseira (obs.: receita abaixo).
Receita: Cola Caseira para papel
 Ingredientes:
– 1/2 litro de água;
– 3 colheres (sopa) de farinha de trigo;
– 1 colher(sopa) de vinagre.
Modo de Preparo:
Misture tudo e leve ao fogo até ferver, após levantar fervura desligue o fogo e aguarde esfriar. A cola já pode ser usada podendo durar até 07 dias na geladeira.
MONTAGEM DO BARCO (clic nas imagens para ampliar)
1 – Marcar com caneta no papelão o desenho de acordo com os moldes, inclusive suas dobraduras indicadas (ver fotos dos moldes). As medidas podem ser alteradas proporcionalmente para a montagem de barcos maiores. Obs.: medidas em centímetros.

Lateral do barco (deve-se se fazer duas matrizes, uma para cada lado)
Traseira do barco

Proa (dianteira) do barco

Banco do barco

Fundo do barco
2 – Recortar os desenhos nas chapas de papelão.
3 – Fazer as dobraduras.
4 – Unir fundo do barco com as laterais, posteriormente traseira, dianteira superior, e banco, fazendo o uso da cola caseira, de maneira a garantir a junção das partes. Prender as pontas com o prendedor e deixar secar.
5 – Após a carcaça de papelão pronta, deve-se forrar o barco com as tiras de jornal, fazendo a colagem com o uso de cola caseira, para garantir a firmeza do material. Deixar secar.
6 – Pintar o barco fazendo o uso de tinta para papel.
7 – Depois de pronto o barco pode ser enfeitado com o mastro, cordas e redes, fazendo o uso de jornal, papel de ceda, crepom ou outro de preferência. No exemplo abaixo a rede foi confeccionada cortando-se tiras finas de papel crepon e formando cordas enrrolando-a com cola caseira.
Para acesso a um outro modelo maior, clic na imagem abaixo:

Contamos com a divulgação dos trabalhos no Facebook da FAUERS.