Umbanda e Meio Ambiente

Livro da umbanda lançado em 2014 aborda as necessárias ações sustentáveis que a FAUERS vem ao longo de seu trabalho dando enfoque, a partir do lema 
 A Natureza é o Altar de Todos Nós.

 Apresentação

Desde quando iniciei minhas pesquisas dentro da temática “religiões de matrizes africanas”, venho percebendo que existe por parte de muitos dirigentes e demais adeptos uma grande preocupação com o futuro desse importante segmento afro-religioso. Preocupação voltada principalmente com a manutenção do legado deixado por aqueles que, no século passado, fizeram eclodir a Umbanda em nosso país.
Mas, ao longo desses quase 20 anos pesquisando principalmente a Umbanda, tem me inquietado o fato de não perceber de forma mais efetiva a preocupação com as questões que envolvem: a falta de uma maior aproximação e diálogo entre os diversos segmentos afro-religiosos; a pouca integração entre os Terreiros umbandistas e principalmente a falta de maior comprometimento por parte de muitos umbandistas com as questões ambientais.
Por conta disso, resolvi escrever essa obra, compartilhando com os adeptos ou não da Umbanda alguns temas que considero relevantes e necessários para um diálogo aberto e atual. Temas que Umbanda e Meio Ambiente envolvem, além das questões ambientais, outras discussões relacionadas aos novos paradigmas e às mudanças de postura diante dos 
desafios que surgem com o terceiro milênio. E afirmo com bastante otimismo que, se todos os umbandistas chegarem a um diálogo fraterno, respeitoso e principalmente ético, estará de fato se consolidando a intenção primordial do Caboclo das Sete Encruzilhadas, que em suas palavras profetizava a superação do ser humano, vencendo o obstáculo do ego, da intolerância e principalmente a erradicação das amálgamas que nos afastam da fé, do amor e da verdadeira irmandade entre os pares.
Partindo dessa premissa, o livro foi contemplado com três capítulos: 

  • o primeiro: O Meio Ambiente, em que são tratados assuntos pertinentes às questões mundiais que envolvem discussões, encontros e convenções realizadas, principalmente nas décadas finais do século XX, e que alertam os seres humanos para a necessidade urgente de se repensar o papel da atual sociedade de consumo e todas as implicações decorrentes do uso insustentável dos recursos naturais; 
  • o segundo: Os Orixás e a Natureza, em que são abordados de forma objetiva, mas não menos importantes, alguns aspectos voltados aos Deuses Orixás Africanos e suas manifestações dentro do rito candomblecista e principalmente umbandista, mostrando, além do arquétipo de cada divindade, a relação estreita entre esses e os elementos da natureza; 
  • o terceiro: A Umbanda e os Novos Paradigmas, parte em que são apresentadas as propostas de ações afirmativas, direcionadas principalmente aos umbandistas e demais adeptos das religiões de matrizes africanas. E, objetivando uma visão mais cosmológica, um olhar não apenas contemplativo, considerando a importância e seriedade dos temas, a obra é finalizada com a frase emblemática do Caboclo Mirim que diz:“A Umbanda é coisa séria, para gente séria!”
Boa leitura e um Forte Axé!
Giovani Martins


Sumário
 Prefácio, 13
 Apresentação, 15

1. O MEIO AMBIENTE, 17
1.1. Questões Ambientais, 19
1.2. Protocolo de Kyoto, 23
1.3. Século XXI e Sustentabilidade, 24
1.4. As Religiões Afro-Brasileiras e o Meio Ambiente, 27

2. OS ORIXÁS E A NATUREZA, 35
2.1. Mitologia Africana dos Orixás, 37
2.2. Sincretismo na Umbanda, 44
2.3. Oferendas e Comidas de Santo, 48
2.4. As Ervas Sagradas na Umbanda, 57

3. A UMBANDA E OS NOVOS PARADIGMAS, 67
3.1. Mudanças na Prática Umbandista, 69
3.2. Umbanda e Sustentabilidade, 71
3.3. Sacrifícios de Animais na Umbanda, 76
3.4. Cursos: à Distância e Presenciais, 81
3.5. Ecopedagogia, 90

 Considerações Finais, 95
 ANEXO 1. Ações Sustentáveis para Todos, 99
 ANEXO 2. Manifesto da Terra-Mãe, 109
 ANEXO 3. Carta da Terra, 117
 Referências Bibliográficas, 131
O Autor, 135